Maki com legumes crus, pasta de gengibre e algas marinhas

Alguns meses atrás falei sobre minha paixão por comida japonesa e publiquei minha receita preferida de makis. Se aquela versão já não era lá muito tradicional, a receita de hoje é ainda menos. Eu  contemplei a idéia de fazer makis crus durante muito tempo antes de me aventurar a prepará-los. Eu gosto tanto dos meus makis que experimentar outra versão, ainda mais ousada assim, me parecia sem sentido. Meus makis já eram perfeitos (pro meu gosto), então porque fazer algo diferente? Ainda bem que minha cabeça dura acabou amolecendo e hoje não entendo porque levei tanto tempo pra experimentar essa delícia.

 Embora uma parte dos makis tradicionais seja sempre crua (o peixe, os legumes), substituir o arroz por uma pasta de oleaginosa pode parecer bastante exótico. Mas confie em mim, basta abocanhar o primeiro maki pra se dar conta que a mistura da folha de nori com o cremoso da pasta e o crocante dos legumes não faz feio diante dos makis tradicionais. Além da variedade de texturas, tem a mistura de sabores que se casam perfeitamente: gengibre, wakame, nori, cenoura, pepino, shoyo…

 Se você é um(a) noviço(a) em matéria de algas marinhas, saiba que os legumes do mar são riquíssimos em minerais e deveriam aparecer com mais frequência na nossa dieta. O sabor é marinho (surpresa!) mas a intensidade varia dependendo da alga. Wakame e nori são bastante suaves, sendo as escolhas ideais pras pessoas que não tem costume de comer algas. Eu já confessei aqui que era uma adoradora de peixe durante minha existência pre-vegana (sejamos honestos: eu ainda adoro peixe, só que agora não deixo mais o prazer gustativo passar na frente dos meus valores morais), então ter descoberto o maravilho mundo das algas foi pra mim o equivalente de ter achado um tesouro enterrado. Adoro o delicado sabor marinho que elas trazem pros pratos, que pra mim lembra bastante o gosto dos bichinhos do mar. Assim, além de acrescentar muitos minerais (entre outros nutrientes) à minha dieta, degusto as delícias do mar sem sacrificar nenhum peixinho.

 

Maki com legumes crus, pasta de gengibre e algas marinhas

As amêndoas dão “corpo” à pasta e aumenta a quantidade de proteína do prato, mas o sabor que predomina é o do gengibre, seguido pelo wakame. Se não encontrar wakame, use folhas de nori esfareladas. A pasta não tem um sabor muito intenso, mas é intencional. Eu não a comeria passada em uma fatia de pão, por exemplo, mas combinado com os outros ingredientes do maki fica absolutamente perfeito.

 Pra fazer a pasta

1x de amêndoas, de molho por 8 horas

1cs de gengibre fresco picado

4cs de suco de limão (1 limão pequeno)

1 dente de alho pequeno

1 1/2cs de wakame desidratado (ou 2 folhas de nori esfareladas)

1/2cc de sal

1x de água

Pra montar os makis

1 cenoura média

1 pepino médio

½ pimentão vermelho

1x de broto de alfafa

6 folhas de nori

gengibre em conserva e shoyo pra servir

Comece preparando a pasta de gengibre. Triture todos os ingredientes no liquidificador até as amêndoas se desfazerem e a mistura ficar homogênea. Transfira pra um recipiente pequeno e deixe repousar enquanto você prepara os legumes. O wakame vai absorver a água da mistura e se rehidratar, deixando a pasta mais espessa. Rale a cenoura no ralo grosso. Corte o pepino e o pimentão em tirinhas finas. Disponha todos os ingredientes lado a lado pra facilitar a preparação dos makis. Uma esteira de sushi (feita de bambu) ajuda na hora de enrolar os makis, mas não é indispensável.

 

Espalhe 1cs cheia de pasta sobre uma folha de nori, deixando uma faixa de uns 3 cm sem pasta. Junte um pouco de cenoura ralada, alguns palitos de pepino e umas tirinhas de pimentão.

Sobre os legumes, disponha uma camada generosa de broto de alfafa.

Lave e seque bem as mãos. Enrole o maki como se fosse um rocambole, apertando bem, fazendo pressão com as duas mãos do centro em direção às bordas. Veja fotos do processo aqui. Repita a operação com o restante dos ingredientes. Pra fazer makis sempre do mesmo tamanho, divida os ingredientes em seis porções iguais (separe “montinhos” no prato onde eles estiverem). Assim você evita de colocar pepino demais em um rolinho, cenoura demais em outro… Quando acabar de enrolar os makis, corte cada rolinho, começando pelo primeiro que você enrolou, em seis pedaços (por ser mais delicado que um maki com arroz, gosto de cortar meus makis crus em pedaços um pouco maiores). Uma serrinha bem afiada faz um ótimo trabalho aqui: com uma mão segure firmemente o rolinho e com a outra faça movimentos de vai e vem com a faca. Disponha os makis sobre um prato grande e sirva acompanhado de gengibre em conserva e shoyo. Rende 36 makis (2 porções como prato principal ou 4 como entrada).

Uso wakame em pedacinhos pequenos (não em flocos)

Anúncios