Arroz verde com maionese de abacate e manjericão

Faz tempo que meus amigos francófonos e minha família francesa pedem pra eu fazer a versão em Francês do Papacapim. Ainda não consegui arrumar tempo pra isso e, sinceramente, acho que não acontecerá tão cedo, mas queria muito que eles tivessem acesso às minhas receitas. Então durante as últimas semanas, quando não tinha ninguém olhando, traduzi quarenta e três receitas  que apareceram aqui no blog e criei um e-book em Francês. Fiz uma seleção de receitas fáceis de preparar e que foram aprovadas por onívoros, afinal o grupo francófono citado acima é composto exclusivamente de onívoros. O nome do e-book é Plaisir Végétal e se vocês também têm amigos que falam a língua de Molière, ficaria muito grata se recomendassem meu livro pra eles. Estou vendendo Plaisir Végétal no mesmo esquema do Guia do Herbívoro Feliz, ou seja, cada um escolhe o quanto quer pagar por ele.

Passemos então ao arroz verde. Faz algum tempo que penso em saladas de arroz. A temperatura aqui está cada dia mais alta e no verão gosto de saladas de grão frias. É extremamente prático e o resultado é sempre nutritivo: misturo algum resto de arroz ou quinoa cozido que dormia na geladeira com os legumes que encontrar na cozinha, faço um molho rápido e o almoço está pronto em minutos.  Fiz algumas saladas de arroz nas últimas semanas, mas nada que merecesse aparecer por aqui. Foi então que vi essa receita e o nome me inspirou. Digo que a inspiração veio do nome, e não da receita em si, pois o meu arroz verde é completamente diferente. Às vezes a inspiração vem de um ingrediente, outras vezes de uma receita, de uma imagem… Dessa vez foi de um nome.

Minha ideia era usar legumes verdes, arroz integral, um resto de ervilhas congeladas (compro ervilhas frescas, debulho e congelo) e, já que o tema era a cor verde, queria testar um molho pra salada à base de abacate. Apesar de adorar colocar abacate nas saladas, nunca tinha experimentado fazer molho com ele. Sua textura é ideal pra fazer molhos cremosos sem precisar de óleo e do ponto de vista nutricional a troca é mais que interessante, pois além de ser rico em vitaminas e gorduras boas, ele tem muita fibra (no post sobre fibras expliquei que uma xícara de abacate tem 10g de fibras).

Não segui uma receita em especial, fui misturando o que tinha na cozinha, provando e colocando mais um pouquinho disso ou aquilo, até me dar por satisfeita. O resultado se afastou um pouco da minha ideia original, que era fazer um molho fluido, mas fiquei muito feliz com o resultado. O molho que criei é tão cremoso quanto uma maionese (confesso que nunca, nunca, jamais fui fã desse condimento), mas o sabor é totalmente diferente, muito mais fresco e vibrante. Ficou perfeito nessa salada de arroz, mas minha maionese verde também vai maravilhosamente bem com saladas de macarrão, de legumes cozidos e em sanduíches. Se você não gosta de abacate nada tema! O manjericão acaba dominando o sabor da maionese, que tem notas de alho e limão ao fundo. Digamos que é um cruzamento de pesto (sabor) com maionese (textura).

Por ser composto de um cereal integral, um legume e uma leguminosa (ervilha) esse arroz verde é um prato completo e pode ser servido sozinho. Se quiser um acompanhamento, aconselho uma salada verde (pra manter a refeição monocromática) ou uma salada com alface, tomate e cenoura ralada (pra, ao contrário, colorir o seu prato). E pros amigos procurando inspiração pra marmita, essa é mais uma receita marmita-friendly. Diferente das saladas completas que postei até então, sugiro que você misture o molho aos outros ingredientes em casa e mantenha o prato na geladeira. Os sabores ficam ainda mais apurados depois de repousar no frio. Retire o arroz verde da geladeira uma hora antes de comer pra que ela fique em temperatura ambiente ou coma gelado, mesmo, se gostar desse tipo de salada fria.

Arroz verde com maionese de abacate e manjericão

Se você tiver acesso a aspargos, um punhado desse legume grelhado deve transformar essa salada, que já é ótima, em algo de outro mundo! Se alguém tentar, me conte como ficou. A receita da maionese faz mais molho do que você precisa aqui, mas é mais fácil liquidificar uma quantidade maior de ingredientes (tente colocar um tiquinho de abacate mais umas folhinhas de manjericão no liquidificador e veja se funciona!). O resto da maionese pode ser guardada na geladeira durante dois, três dias. Usei uma colher de sopa de azeite aqui porque acho que ele enriquece o sabor, mas se quiser um molho totalmente sem óleo deixe-o de fora.

1 cebola, picada

2-3 dentes de alho, ralados/amassados

2x de arroz integral cozido

2x de brócolis, em pedaços pequenos (buquês e talos)

1x de ervilha, fresca ou congelada

Azeite, sal e pimenta do reino

Maionese de abacate e manjericão

1x de abacate

2x de manjericão picado

Suco de um limão pequeno, ou a gosto

1 dente de alho pequeno

1cs de azeite (opcional, mas recomendado)

1/4x de água

Sal e pimenta do reino

Cozinhe a ervilha em bastante água salgada até ficar macia (15-20 minutos). Aqueça 1cs de azeite em uma frigideira grande e funda e doure a cebola. Junte o alho e o brócolis, mexa bem e deixe cozinhar coberto, em fogo baixo, até o brócolis ficar macio, mas ainda al dente. Não precisa acrescentar água, o legume cozinhar no vapor do líquido que ele próprio solta. Tempere com sal e junte o arroz cozido e as ervilhas cozidas e escorridas. Bata todos os ingredientes da maionese no liquidificador, prove e corrija o tempero (talvez você queira usar um pouco mais de suco de limão também). Se a consistência estiver espessa demais, junte um pouco mais de água, mas lembre que esse molho deve ter a textura de uma maionese.  Coloque 2 colheres de sopa bem cheias da maionese na mistura de arroz e legumes, mexa bem, prove e decida se precisa de mais maionese ou não (eu só coloquei 2cs, pois acho que mais do que isso deixaria o prato pesado e gorduroso).  Sirva morno, em temperatura ambiente ou gelado, de acordo com suas preferências. Rende 2 porções como prato único.

Anúncios