Algumas semanas atrás recebi um e-mail que me tocou bastante.

Meu nome é Gabriela e tenho 13 anos, atualmente sou ovo-lacto-vegetariana e consegui isso com muito esforço, pois ninguém na minha família é vegetariano, e principalmente minha mãe, tem medo que eu fique seriamente doente por causa de minha alimentação. Meu maior desejo agora é virar vegana, li muito sobre isso, só que veganismo minha mãe não concorda de jeito nenhum, ela acha que é exagero e perigoso e como só tenho 13, tenho que obedece-la, mas tem algum jeito de eu a convencer de que o veganismo é saudável? O que você sugere?

Fiquei muito feliz em saber que tenho uma leitora tão jovem e tão determinada a fazer uma diferença através da sua alimentação. Enviei um e-mail com as dicas que achei mais apropriadas, mas fiquei pensando que talvez a resposta às perguntas de Gabriela ajudem outros leitores. De vez em quando recebo e-mails de adolescentes que estão na mesma situação, então me parece que faz sentido escrever um post sobre o assunto.

Antes de passar pros conselhos, gostaria de dizer o quanto admiro a sensibilidade e a coragem dos jovens que decidem, apesar da torcida contra da família e dos amigos, adotar uma dieta mais ética, mais ecológica e que faz prova de compaixão com animais humanos e não humanos. Se já é difícil tomar essa decisão quando somos adultos, donos do nosso nariz e do conteúdo da nossa geladeira, imagine então o quanto isso é complicado pros adolescentes, que dependem financeiramente dos pais e que têm que comer o que eles colocam na mesa.

Eu mesma parei de comer carne vermelha no início da adolescência. Não foi por motivos éticos, simplesmente nunca gostei de carne. Minha mãe não viu problema nenhum nesse meu comportamento, pois ela cresceu no sertão, em uma família muito pobre que não comia carne quase nunca, então ela sabia que tem muita gente vivendo sem carne por aí. Mas, diferente da leitora que me escreveu, eu ainda comia frango e peixe, além de ovos e leite. Acho que se eu tivesse me tornado vegana, ou mesmo vegetariana, naquela época minha mãe não teria sido tão compreensiva.

Alguns conselhos pros adolescentes que querem adotar o vegetarianismo/veganismo, mas que estão se deparando com a resistência dos pais onívoros:

– Primeiro de tudo: tenha uma conversa franca com seus pais e explique os motivos que te fizeram tomar essa decisão. É importante que eles entendam que você quer escolher o vegetarianismo/veganismo por razões éticas, não porque está querendo aderir a uma possível “moda”, sem avaliar as consequências que isso terá na sua saúde. Sabendo que você fez essa escolha guiado(a) pela compaixão, será mais fácil pros seus pais respeitar a sua decisão.

-Se informe bastante sobre nutrição vegetariana/vegana. É normal que seus pais, e familiares em geral, se preocupem com a sua saúde, já que a vida inteira eles escutaram que precisávamos de carne e leite pra nos manter saudáveis, principalmente na infância e adolescência. Se você tiver as informações corretas sobre proteínas, ferro e cálcio nos vegetais eles ficarão mais tranquilos e você não vai colocar a saúde em risco. Isso também vai mostrar aos seus pais que você é responsável e maduro(a) suficiente pra fazer escolhas alimentares conscientes.

-Leia e peça pros seus pais lerem alguns artigos sobre veganismo escrito por nutrólogos e nutricionistas. É importante expor um argumento de autoridade pros seus pais, afinal se profissionais de saúde e nutrição concordam que é possível ser veg e saudável, fica mais difícil discordar. Recomendo os textos do Dr Eric Slywitch, que é nutrólogo e vegano, e de George Guimarães, que é nutricionista e também vegano. Alguns artigos indispensáveis:

Crianças e adolescentes vegetarianos (Eric Slywitch)

O que eu coloco no lugar da carne? (George Guimarães)

Ferro na dieta vegetariana (George Guimarães)

Cálcio na dieta vegana (George Guimarães)

Sobre a suficiência proteica da dieta vegana (George Guimarães)

-Se seus pais não são adeptos de leitura on-line, ofereça o livro “Alimentação sem carne – Guia prático”, do Dr Erik Slywitch. Ainda não tive a oportunidade de ler esse livro, mas uma leitora (e amiga) nutricionista leu e disse que ele é excelente. Ela é onívora e tinha vários preconceitos com relação à dieta vegetal, mas disse que depois da leitura desse livro, que é extremamente bem argumentado (com base em pesquisas científicas), sua opinião mudou completamente.

-Consultar um nutricionista e pedir uma dieta vegetal que cubra todas as suas necessidades pode ser uma boa ideia, mas somente se o profissional em questão for aberto ao veganismo. Infelizmente a maioria dos nutricionistas ainda tem muita resistência à dieta vegetal, apesar da ADA (Associação Dietética Americana) ter afirmado que “(…)dietas vegetarianas apropriadamente planejadas são saudáveis, adequadas em termos nutricionais e apresentam benefícios para a saúde na prevenção e no tratamento de determinadas doenças. Dietas veganas e ovo-lacto-vegetarianas adequadamente planejadas satisfazem as necessidades nutricionais de bebês, crianças e adolescentes e promovem o crescimento normal “. Recomendo dois artigos sobre o assunto: Sobre nutricionistas e a resistência ao vegetarianismo, de George Guimarães, e Por que muitos profissionais de saúde têm preconceito contra o vegetarianismo? de Erik Slywitch. A solução é perguntar na hora de marcar a consulta se o nutricionista em questão é simpatizante da dieta vegetal. Alguns leitores me contaram verdadeiros pesadelos vividos em consultórios de nutricionistas pró-carne (uma nutricionista sugeriu tratamento psicológico pra “curar” uma vegetariana!), então se não tiver sorte com o primeiro profissional consultado, não hesite em procurar outro.

-Mostre aos seus pais exemplos de pessoas que se tornaram vegs na infância e na adolescência e que vão muito bem, obrigado. Nessa página do Centro Vegetariano, por exemplo, tem várias entrevistas com mães vegetarianas/veganas que estão criando seus filhos no mesmo regime (desça até o final da página pra ver as entrevistas). Quem lê Inglês pode consultar essa página do VeganHealth.org onde é possível ler sobre várias crianças veganas, com fotos mostrando o crescimento delas ao longo dos anos (algumas já são adolescentes). Muitos anos atrás li um artigo lindo escrito por uma menina americana de 12 anos, vegana desde que nasceu, sobre as razões que a levaram a se manter vegana. Hoje ela tem 17 anos e continua escrevendo sobre veganismo. Os artigos podem ser lidos aqui (em Inglês, mas nada que Google Tradutor não resolva).

-Mostre aos seus pais como a comida veg pode ser deliciosa. Leve eles a um restaurante vegetariano/vegano na sua cidade. Aproveite pra puxar papo com os donos (incluindo seus pais na conversa, claro) e peça pra eles falarem um pouco sobre vegetarianismo/veganismo (Desde quando eles seguem esse regime? Eles têm filhos?). Peça um livro de receitas vegs de presente na próxima data comemorativa (seu aniversário, natal etc.) e incentive seus pais a descobrir pratos novos. Mostre a eles blogs de culinária vegetal pra convencê-los que veganos não comem só alface. Aconselho particularmente o site Vegetarianos comem o quê? Além de ser recheado de vídeos com receitas apetitosas, esse site foi criado por uma família vegetariana e três gerações participam dos vídeos.

-Por último, mas não menos importante, coloque a mão na massa. Talvez seus pais acabem entendendo suas razões pra se tornar veg e tenham se convencido de que a dieta vegetal não vai comprometer a sua saúde. Mas na hora de colocar o vegetarianismo/veganismo em prática pode ser que o cozinheiro da casa (sua mãe, seu pai ou outro) simplesmente não saiba o que fazer pra você comer. Se torne íntimo(a) do fogão e prepare pratos vegetais saborosos pra toda a família. Assim você mostrará que tipo de comida eles podem preparar pra você. Mostre receitas, sugira adaptações nos pratos (feijão cozinhado sempre sem carne, por exemplo) e dê sugestões pro cardápio semanal. Lembre-se que a decisão de ser tornar veg foi sua, então é sua responsabilidade fazer isso acontecer.

Se você seguiu todas as recomendações acima e mesmo assim seus pais não mudaram de opinião e continuam te proibindo de adotar o vegetarianismo/veganismo, infelizmente você terá que ceder. Fico muito triste em dizer isso, pois sei o quanto é difícil passar por cima das nossas convicções. Fico mais triste ainda em constatar que a rejeição das pessoas com relação ao vegetarianismo/veganismo é fruto de preconceito, falta de informação e, às vezes, pura má vontade. Mas no caso dos seus pais, tem também o medo que esse regime tão diferente do que eles estão acostumados tenha consequências negativas no seu desenvolvimento.

Enquanto você viver sob o mesmo teto que os seus pais e for sustentado(a) por eles, terá que obedecê-los. Eles provavelmente precisarão de mais tempo pra aceitar sua decisão, então seja paciente. Tente entender os motivos deles, não se revolte e, sei que isso vai parecer muito difícil, seja grato(a) pelo amor que eles sentem por você. Se eles não te amassem não se preocupariam tanto com a sua saúde e o seu bem estar. Mas não perca as esperanças. Pode ser que com o passar do tempo, ao ver que suas razões são sinceras, que suas convicções não mudaram e ao constatar o quanto ser forçado(a) a comer produtos de origem animal te deixa triste, a opinião dos seus pais acabe evoluindo. Só posso desejar toda a sorte do mundo aos adolescentes que estão passando por uma situação parecida e se meus leitores tiverem mais algum conselho pra eles, sintam-se livres pra escrever umas linhas nos comentários.

Anúncios