Almoço

Quando digo as pessoas que sou vegana, a primeira pergunta que me fazem é “Você come o que?” e a segunda é “Por que?”. O por quê do meu veganismo foi explicado aqui e se você já deu uma olhada nas receitas do blog viu que eu tenho uma alimentação bem diversificada. É tão comum pensarem que só como salada que nem me importo mais quando dizem “Você só deve comer mato”. A prova é que escolhi chamar meu blog de “papacapim”. Mas, embora seja cansativo repetir sempre as mesmas coisas, acho que tenho a obrigação de esclarecer essa confusão. Não, eu não como capim. Eu como legumes, frutas, verduras, grãos, cereais, sementes, oleaginosas e algas marinhas. Quando escuto uma pessoa dizer “mas então você não pode comer nada”, fico triste por ela. Isso mostra o quanto sua alimentação é pobre, pouco diversificada. Estamos tão acostumados a comer carne, queijo, ovos e afins que acabamos deixando de lado os milhares de produtos de origem vegetal que a natureza nos oferece e que nosso corpo precisa e muito. Veganismo não é simplesmente uma lista do que não podemos comer, não é se privar do prazer à mesa. Sei que a grande maioria dos onívoros pensa que essa é uma escolha extrema e que levamos uma vida triste, sem graça e sem sabor. Isso sem falar das críticas do ponto de vista nutricional, a idéia que é impossível ser vegano e saudável. Não quero falar desse assunto controverso hoje, mas posso dizer uma coisa: se não existe vegano saudável então eu sou uma alucinação!

Mas voltemos ao assunto “o que um vegano come”. Gostaria de mostrar um exemplo concreto da maneira como me alimento. A foto acima é um almoço típico aqui em casa: uma porção de quinoa (cozido na água e sal), uma salada de abobrinha crua (massageio fatias finas de abobrinha com um pouco de limão e sal até elas amolecerem um pouco), pimentão vermelho e espinafre cru, regada com azeite e vinagre balsâmico e uma pequena porção do meu delicioso patê de tomate seco. Quinoa é rico em minerais, vitaminas, fibras e é uma excelente fonte de proteínas. Pra quem não sabe, quinoa é uma proteína completa, ou seja, tem todos os aminoácidos essenciais. A salada de abobrinha, pimentão e espinafre é rica em vitaminas, fibras e ferro. O patê é feito com amêndoas e sementes de girassol, logo tem muitas proteínas, cálcium, vitamina E (um poderoso antioxidante) e licopeno (outro antioxidante, presente no tomate). Gosto de regar o prato com suco de limão, pra aumentar a quantidade de vitamina C e potencializar a absorção do ferro pelo organismo. Tudo isso sem um grama sequer de colesterol, só gorduras boas que protegem o coração. E o sabor desse almoço é tão vibrante quanto as cores presentes no prato.  A foto não faz justiça à “deliciosidade” da comida, você tem que experimentando pra crer.

Esse foi um exemplo de um almoço vegano que não só fornece tudo o que seu corpo precisa pra se manter saudável (bônus: sem colesterol e repleto de antioxidantes) mas também é uma festa pros olhos e papilas, além de ser facil de preparar. Veganismo pode, e deve, rimar com diversidade e ninguém é obrigado a se privar do prazer de comer pra ter uma dieta mais ética, ecológica e saudável.

Anúncios