Arquivos para categoria: Bebidas

chá de canela com nozes

Na minha vida anterior, quando eu estudava linguística em Paris, tive a sorte de frequentar uma universidade com uma das melhores bibliotecas universitárias da Europa. O que tornava essa biblioteca realmente especial pra mim não era o tamanho, mas o fato dela ter uma seção inteira com literatura brasileira e portuguesa em Português. A universidade tinha curso de Português e a ideia era que esses universitários pudessem explorar a literatura lusófona na língua de Camões. Mas acho que quem mais aproveitava era eu, que fazia um curso totalmente diferente, mas que vinha matar a saudade da minha língua e dos meus autores preferidos regularmente. Sempre que a distância da minha terra parecia insuportável, eu me refugiava nessa ala da biblioteca. Eu tinha a impressão que se o autor viesse do Nordeste, o livro matava ainda mais a saudade. Foi durante essa minha fase de obsessão com o Sertão que li, pela primeira vez, ‘Memorial de Maria Moura’, de Rachel de Queiroz.

Alpendres, redes e açudes eram tudo o que eu precisava naquele momento, mas aventuras, botijas, romances contrariados e uma heroína cangaceira deixou tudo ainda mais interessante. Uma passagem do livro ficou marcada pra sempre na minha memória. O livro é maravilhoso, não há dúvidas, mas vejam só, eu já tinha o micróbio da culinária dentro de mim naquela época e fiquei impressionada foi quando Marialva encontrou Valentim pela primeira vez e serviu, no seu alpendre, chá de canela pra ele. Chá de canela! Meus pais são sertanejos, eu fui inúmeras vezes pro interior do RN, onde boa parte da minha família materna ainda mora, mas nunca, nunca tinha ouvido falar de chá de canela. Eu adoro canela, ela é provavelmente a minha especiaria preferida, então fiquei um pouco ressentida. Por que nunca me ofereceram chá de canela nas minhas andanças pelos alpendres?  Será que já não se bebe mais chá de canela no sertão, só café e cachaça?

Curiosamente, não me atrevi a tentar o chá em casa. Primeiro porque eu não tinha ideia de como fazer isso (hoje acho óbvio, mas nunca tinha pensado em ferver os paus de canela) e segundo porque aquele chá ficou associado na minha mente ao Sertão e beber ele em casa me parecia totalmente fora de contexto.

Muitos anos depois eu fui visitar meus amigos Tareq e Sara no campo de Al Arroub, logo depois do nascimento de Watan, o primeiro filho deles. A mãe de Sara estava lá pra ajuda-la com o bebe e adivinha o que ela serviu pra gente? Chá de canela! Imagino que a canela sendo uma especiaria muito popular, vários povos do mundo fazem chá com ela, mas foi surreal provar a bebida que eu tinha associado ao Sertão em um campo de refugiados na Palestina. A vida tem dessas coisas.

A mãe de Sara serve o chá com pedacinhos de nozes, o que aumenta ainda mais o prazer de toma-lo. As nozes absorvem a doçura e o perfume da canela e ficam irresistíveis. E é muito agradável intercalar os goles de chá com a mastigação de uma ou outra noz. Você pode fazer o chá sem as nozes, mas a presença delas aqui deixa a bebida mais especial.

Ainda não consegui degustar um chá de canela numa rede armada em um alpendre do Sertão, olhando um açude e um serrote, como nas minhas fantasias queirozianas, mas não perdi as esperanças. Enquanto isso vou bebendo meu  chazinho em casa, mesmo.

canela

Chá de canela com nozes

A qualidade da canela faz toda a diferença aqui. A primeira vez que fiz esse chá usei uma canela ruim e mesmo depois do uma noite de molho e de ter deixado ferver por quase uma hora, a bebida continuava insípida. Na segunda vez, meros 4 minutos de fervura (depois da noite de molho) foram suficientes pra fazer um chá bem forte. Se sua canela em pau não exalar um aroma relativamente forte, ela provavelmente está velha demais e não serve pra fazer esse chá. Canela é ótima pra esquentar o corpo (esse chá é perfeito no inverno) e como ela tem propriedades antibacterianas, expectorantes e anti-inflamatórias, esse chá dá uma forcinha ao seu corpo durante gripes e resfriados.

30g de canela em pau de ótima qualidade

Nozes

Cubra a canela com 2x de água e deixe de molho durante uma noite. No dia seguinte transfira tudo pra uma panela pequena e acrescente mais 1x de água. Deixe ferver alguns minutos, coberto. Prove o líquido regularmente e quando estiver forte o suficiente pro seu gosto, desligue o fogo (aqui em casa fervi a canela durante 4 minutos, mas esse tempo varia de acordo com a qualidade da sua canela). Como essa bebida tem um sabor intenso, é melhor servi-la em copinhos pequenos, como se faz aqui na Palestina. Polvilhe cada copo com as nozes picadas grosseiramente (uso 1cc por copo). Não precisa adoçar, pois a canela já é doce o suficiente. Rende 6 porções pequenas.

Anúncios

Vitamina de pêssego, banana e chia

Desastres culinários acontecem com os melhores cozinheiros e a minha humilde cozinha não poderia ser uma exceção. Desde ontem afago, acaricio e converso com uma bola de massa que deveria se transformar em bagels hoje. Minha agenda de afazeres do mês de novembro está assoberbadíssima e a ideia era congelar pão pras próximas duas semanas. Mas os deuses do pão não estavam do meu lado. Não sei o que deu errado, porém suspeito que meu fermento pra pão venceu e não faz mais efeito. O fato é que meus bagels não cresceram nada, ficaram tão densos e pesados quanto tijolos de barro e são totalmente intragáveis. Enquanto digito essas linhas uma fornada de 16 (16!!!!) bagels aguarda o seu destino no forno apagado. Na verdade 15, pois comi um pra tentar me convencer que, não, não, meus pãezinhos não são tão ruins assim, e acabei com o equivalente a um quilo de cimento no estômago. Ai! Infelizmente o destino da fornada será o lixo. Nem me lembrem do desperdício que isso significa, pois minha consciência já está tão pesada quanto o meu estômago!

Por causa disso não tive condições (espaço no estômago) pra almoçar, mas como precisava ingerir alguma coisa e achei um saquinho com pêssegos no congelador (lembranças do verão), fiz uma vitamina. Geralmente é isso que tomo quando preciso me alimentar, mas ao mesmo tempo estou sem vontade de comer. E gosto de aumentar os nutrientes das minhas vitaminas juntando uma colher de sopa de sementes de chia. Se você estava procurando mais uma maneira de incorporar essas sementinhas mágicas na sua alimentação, acabou de encontrar.

P.S. Prometo que a receita dos bagels (os bons, não os feitos de cimento) aparecerá aqui semana que vem. Felizmente certos dias sou capaz de fazer bagels deliciosos.

Vitamina de pêssego, banana e chia

Pelo menos uma das duas frutas deve estar congelada, mas se quiser uma mistura parecida com um sorbet, use as duas frutas congeladas. Acho que leite de amêndoas casa perfeitamente com pêssegos, mas você pode usar leite de soja ou outro leite vegetal (de preferência não adoçado). Você também pode substituir os pêssegos por outra fruta (mamão se dá muito bem com banana). Quer saber tudo sobre a chia? Leia esse post e mais esse.

1x de pêssegos em cubos (frescos ou congelados)

1 banana (fresca ou congelada)

1x de leite de amêndoas gelado (ou seu leite vegetal preferido)

1cs de sementes de chia

Bata todos os ingredientes, menos a chia, no liquidificador até ficar cremoso. Junte a chia e pulse duas ou três vezes (só o suficiente pra misturar as sementes com o líquido, sem necessariamente tritura-las). Sirva imediatamente. Rende uma porção generosa.

Antes de sair de férias aproveitei as últimas cerejas da estação, que eu tinha congelado alguns dias antes, pra fazer um smoothie. Usei leite de amêndoas, porque amêndoa e cereja nasceram uma pra outra, e bananas, pra adoçar e ficar mais cremoso.  Depois do primeiro gole tive uma ideia. Sempre gostei de chocolate recheado com cereja, então coloquei o smoothie de volta no liquidificador e bati novamente com um pouquinho de cacau em pó. O gosto de chocolate ficou bem discreto, mas acho que deixou o smoothie mais especial.

Eu sabia que cereja aqui no Brasil custava caro, mas depois de um incidente em uma feirinha de Copacabana algumas semanas atrás, descobri que essa frutinha vale quase tanto quanto ouro!  Minha irmã quis comprar meio quilo de cereja, achando que o quilo custava R$, 7,60, e quase desmaia ao descobrir que esse era o preço de 100g (o feirante deve estar rindo até agora)! Então se você não quiser raspar a poupança pra comprar cerejas, pode substitui-las por morangos, pois também ficam ótimos com cacau.

Smoothie de cereja com cacau

O leite de amêndoas casou perfeitamente com os outros sabores, mas você pode usar outro leite vegetal, se preferir. Pra obter um sabor de chocolate mais forte, sinta-se livre pra usar mais cacau. Nesse caso talvez você queira usar algo pra adoçar seu smoothie, pois o cacau vai deixá-lo mais amargo. E se a temperatura na sua cidade estiver alta, como é o caso de Natal nesse momento, talvez você queira ver as outras receitas de smoothies que já apareceram por aqui.

2x de cereja congelada (sem caroço)

1x de banana congelada em rodelas

Entre 1x e 1 1/2x de leite de amêndoas

2cc de cacau em pó (sem açúcar), ou mais se quiser um sabor de chocolate mais forte

Bata todos os ingredientes no liquidificador até ficar homogêneo. Com 1x de leite de amêndoas o smoothie fica mais espesso, com a consistência de um sorvete mole, mas se seu liquidificador não for muito potente talvez você precise juntar mais meia xícara de leite pro motor continuar funcionando. Se quiser um smoothie mais doce, use o adoçante natural que preferir. Rende 2 porções (cerca de 600ml, se você usar 1 1/2x de leite de amêndoas).

Limonada rosa com hortelã

Se você lê esse blog há algum tempo sabe que 1-Sucos de frutas, mesmo naturais, não entram na minha lista de alimentos saudáveis e por isso… 2-Eu quase nunca tomo sucos. Se você é novo por aqui leia esse post pra entender melhor o que acabei de dizer. Porém tem um suco que descobri na Palestina e que tomei bastante durante meus primeiros anos aqui: limonada com hortelã. Talvez o conceito não seja novo pra vocês, mas eu nunca tinha provado suco de limão com hortelã antes e fiquei encantada com o casamento perfeito de sabores. É uma bebida tradicional e extremamente popular nessa terra, pois a maioria da população palestina é muçulmana e pouca gente bebe álcool por aqui (só os palestinos cristãos, palestinos muçulmanos seculares e estrangeiros).

A receita palestina é feita com suco fresco de limão, açúcar e hortelã batidos no liquidificador com bastante gelo pra ficar com uma consistência semi-congelada. Por não fazer parte da minha vida, açúcar sempre provoca reações estranhas no meu corpo nas raras vezes que o consumo. Alguns meses atrás percebi que minha barriga inchava quando eu tomava limonada com hortelã, como se o açúcar fermentasse lá dentro. A sensação era bem desconfortável e parei de tomar o suco de vez. Mas desde então fiquei pensando em fazer uma versão sem açúcar da limonada, afinal limão com hortelã é gostoso demais pra não ser degustado com frequência. Matutei, matutei, tive algumas ideias, que rejeitei antes mesmo de testar, até que ontem vi a luz!

Eu tinha voltado pra casa com uma linda melancia do mercado (está na época aqui), a primeira que comprei esse ano, e foi aí que a inspiração chegou. E se eu usasse melancia na limonada? Com um ingrediente, natural, barato e fácil de encontrar, eu substituiria o açúcar, a água e, se usasse uma parte da melancia congelada, o gelo também! Nunca na vida tomei suco de melancia porque sempre achei que devia ser algo extremamente sem graça, além de ser muito mais divertido comer melancia do que bebê-la. Mas na minha receita a melancia é apenas o suporte pros sabores do limão e da hortelã, então meu suco está longe de ser sem graça! Extremamente refrescante e saborosa, essa limonada rosa é a maneira mais gostosa de se hidratar durante o verão.

Sei que somente meus leitores europeus poderão degustar essa receita agora. Não é época de melancia no Brasil e em algumas regiões o clima está frio demais pra acolher esse suco semi-congelado (esse é o problema em viver em um lado do mundo e escrever receitas pro pessoal do outro lado). Mas, leitores brasileiros, guardem essa receita em um cantinho da memória e não deixem de experimentá-las assim que as melancias aparecerem nas feiras. Garanto que depois de provar minha limonada rosa seus dias de verão nunca mais serão os mesmos.

PS Se vocês estão se perguntando por que tem tanta foto de gato num blog de comida a resposta é que meus bichanos invadem as fotos sem a minha autorização. No meio da sessão de fotos Noor se instalou confortavelmente na bandeja onde estavam os copos de limonada (ele adora dormir nessa bandeja) e não teve como expulsá-lo.

Limonada rosa com hortelã

Nos EUA pink lemonade é uma bebida muito apreciada, mas na maior parte do tempo é colorida artificialmente (algumas receitas usam suco de cranberry). Além da cor, a única coisa que minha limonada rosa tem em comum com a receita americana é o limão. Tudo aqui é 100% natural e sem açúcar. Não esqueça de retirar as sementes da melancia antes de congelá-la. Eu usei uma quantidade pequena de limão, assim os sabores ficaram bem equilibrados. Se quiser um sabor mais intenso use mais suco de limão, mas nesse caso talvez você sinta a necessidade de adoçar o suco, que era exatamente o que eu queria evitar. Um pouquinho de raspas de limão intensifica o sabor sem, no entanto, aumentar a acidez da bebida. O sabor da melancia, embora discreto, também está presente, mas complementa muito bem os outros sabores. Por isso quase chamo minha limonada rosa de “melonada”. Esse suco é ainda mais refrescante se for servido semi-congelado (como nas fotos), mas você também pode usar só melancia fresca se quiser um suco totalmente líquido.

2x de melancia (em cubos, sem as sementes)

2x de melancia congelada, (em cubos, sem as sementes)

Suco de 1 limão pequeno (aproximadamente 4cs), ou a gosto

Uma pitada de raspas de limão

Um punhado de hortelã picada (aproximadamente 4cs)

Bata a melancia, a melancia congelada e o suco de limão no liquidificador. Junte a hortelã e bata mais um pouco, só o suficiente pra corta as folhas em pedacinhos miúdos. Sirva imediatamente. Rende duas porções de 250 ml cada.

Limonada rosa e o gato

Espero que todos estejam se divertindo e tendo um ótimo carnaval. Felizmente pra mim, por aqui não tem folia e com somente uma moradora na casa, as coisas estão mais tranquilas do que nunca.

O inverno desse ano está bem frio e como não tenho aquecedor (tenho um a gás, que está sem gás no momento, mas de todo jeito prefiro não usá-lo) passei os últimos dias com uma bolsa de água quente nos pés e uma caneca de chá nas mãos. Se pudesse, teria me refugiado embaixo das cobertas o tempo todo, mas tive que sair várias vezes sob a chuva grossa que não parou de cair durante toda a semana. No sábado saí pra comprar comida sob uma chuva de granizo e à noite comecei a me sentir meio mole, como se estivesse incubando um vírus malvado que iria explodir no dia seguinte. Ainda bem que tinha trazido pra casa as últimas romãs da feira.

Romã aqui é muito popular e durante boa parte do ano é possível encontrar suco fresco de romã nas esquinas da cidade. Tomei suco de romã pela primeira vez aqui, mas só recentemente comecei a prepará-lo em casa.  Nas lanchonetes e cafés eles usam um espremedor manual de ferro  estilo alavanca e eu achava que só com um desses seria possível extrair o suco dessa fruta. Mas depois de tentar com meu espremedor de laranja de plástico vi que também dava certo.

Sei que alguns posts atrás falei mal de sucos de frutas e disse que era sempre melhor consumir a fruta inteira. Continuo achando que é verdade, mas a romã tem um poder medicinal tão grande e é tão rica em antioxidantes que acredito que compensa. E de todo jeito, nunca consegui engolir as sementinhas da romã (mastigo bem, extraio o suco na boca e jogo resto fora), então nesse caso não faz nenhuma diferença.

A receita de hoje é na verdade uma dica. Quando começar a sentir que vai gripar, ou sempre que quiser dar uma forcinha ao seu sistema imunológico, corte uma romã madura ao meio e use um espremedor de laranja pra extrair o suco, exatamente como você faria com uma laranja. Você vai precisar fazer um pouco mais de força e talvez estourar com os dedos alguma sementinha que tenha ficado inteira (pressione as sementes contra o espremedor), mas sua saúde vai agradecer. Talvez tenha sido a combinação de suco fresco de romã, sopa de feijão e uma boa noite de sono, mas o fato é que domingo acordei novinha em folha.

Outra dica: se quiser retirar as sementes da romã pra comer ou utilizar em alguma receita, aprendi uma técnica infalível com Nigella Lawson. É só cortar a romã ao meio e bater no lado da casca com uma colher de pau.

Antes de ir embora, uma imagem do meu “carnaval” aqui. Mais tranquilo impossível!